Amorfa




Não era alívio, muito menos conforto, era liberdade.
Intimidade, familiaridade.
Tudo sem se perceber, porque de certa forma não havia como refletir sobre o que era
Só era.
Era como há muito tempo, eras atrás
Bem aos olhos, transbordando, causando vendavais e tempestades
Trazendo o som familiar da paixão e de tudo de mais animal que havia
A fome, o desejo, todo o cortejo de ser

Esperando, bem lá no fundo, não acabar em vazios
E desmanchando dentro toda a paz de pertencer a uma só coisa
O alivio exaustivo de saber que para se pertencer não é necessário saber ao que se pertence.

Nathalia Nates

comentário(s) pelo facebook: